fbpx

Dezembro Laranja: uma campanha que vale para o ano todo.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de pele é o mais comum no Brasil, com uma média é de 181 mil novos casos por ano no país.

São três tipos os mais comuns: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e o mais grave deles, o melanoma. A doença pode aparecer em forma de uma cicatriz mais funda, ou como pequenas pintas, pintas que já existiam e mudaram de cor ou cresceram, e as que sangram.

Qualquer uma dessas situações é motivo para procurar um dermatologista.

Mesmo sem os sintomas, é recomendado que, ao menos uma vez por ano, as pessoas busquem uma consulta com essa especialidade para avaliar a pele, principalmente os adultos.

O Dezembro Laranja, campanha da Organização Mundial de Saúde (OMS), vem justamente para falar sobre isso.

Cuidados em qualquer fase da vida.

Com exceção do melanoma, os cânceres de pele são mais frequentes na população adulta porque estão associados à exposição solar. Além da exposição solar, o tipo melanoma também pode ser causado por fatores genéticos. Ou seja: apesar de ser mais comum em adultos, a doença pode afetar recém-nascido, criança, jovem, adulto ou idoso.

Mesmo que a incidência seja maior em pessoas de pele clara, todos precisam se prevenir!

Não importa a idade e o tipo de pele, os cuidados são os mesmos: evite a exposição excessiva aos raios solares, principalmente entre às 10:00 e as 16:00, em todas épocas do ano.

E, quando se expor ao sol, use protetor solar e protetores físicos, como boné e roupas frescas, com mangas e tecidos específicos, já com filtro solar.

É importante ainda que as pessoas façam o autoexame,sem esquecer de lugares como as costas, as coxas, por exemplo.

Fora isso, uma vez ao ano vá ao médico para um exame mais detalhado. Para pessoas com pele extremamente claras, muitas pintas e tendência genética ao câncer, é recomendado fazer a cada ano o mapeamento dos nevos em clínicas especializadas e, assim, acompanhar o comportamento da pele ou o surgimentos de novas pintas.

Tratamento

Em casos com lesões da pele, é comum pacientes se auto medicarem sem acompanhamento médico, o que apenas dificulta o diagnóstico já que a automedicação mascara os sintomas.

Assim como em outros tipos de câncer, as chances de cura são altas quando o diagnóstico da doença é precoce. Existem várias formas de tratamento, inclusive disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), e variam de acordo com o paciente e o tipo de tumor.

Fonte: Blog da Saúde, do Ministério da Saúde do Brasil

 

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: